A conduta na Nossa Casa Espiritual

O sucesso dos trabalhos efetuados em uma sessão espiritual depende, em grande parte, da concentração e da postura de todos os participantes: médiuns, cambonos, ogans, auxiliares, assistentes e também dos consulentes na assistência.

 

Os Templos Umbandistas são locais extremamente sagrados, especialmente preparados para atividades espirituais, e que têm sobre seus espaços, uma cúpula espiritual e de líderes que são os responsáveis pelas diretrizes básicas de amparo, orientação e segurança daqueles que, ou buscam ali a solução ou o abrandamento de seus males físicos e espirituais, ou vão por fé na vontade de receberem uma melhoria energética nos seus chacras. Portanto, aquele que participar de uma sessão espírita, deve considerar que é indispensável medir e reavaliar a sua conduta corporal, seus pensamentos, sua forma de vestir e de se comportar. Muitos pensam que não devem dar a devida atenção e respeito aos trabalhos nas sessões e aos locais espirituais, o que representa um “total engano a si próprio”, independente se a solenidade é uma sessão de Festa Comemorativa ou sessão de Preto-velho, Caboclo, Exu, Criança, Limpeza da Aura ou Passe Magnético.

 

Posturas inadequadas às sessões, tais como: conversas paralelas, algazarras, exibicionismos, bajulações, fofocas, má índole, maus pensamentos, uso de celulares, ingerir líquidos ou alimentos no terreiro, etc., facilitam o trabalho dos quiumbas e espíritos desqualificados, que, aproveitando-se das vibrações negativas emanadas por essas pessoas, podem, por vontade ou não, até desarmonizar e quebrar a esfera fluídica positiva do ambiente, comprometendo sobremaneira os trabalhos assistenciais. Reparem que, quanto mais o participante do culto umbandista estiver fraco no pensamento, ou possuir pensamentos inadequados ao ambiente, mais ele passa a ter outros novos pensamentos bem mais perversos e até com lembranças físicas e visões ainda mais negativas (o famigerado "começa a pensar besteiras"), e isto acontece porque o “mal atrai o mal” e o “bem atrai o bem”. Porem, quando o "bem" deixa de ser praticado ou exercido, naturalmente por leis cármicas, o "mal" pode começar a prevalecer e aí, caso se torne o vencedor, não há limite para tal.

 

Lembre-se que o trabalho espiritual sobre o Consulente inicia desde quando ele adentra no ambiente da TENSG (lá no portão de entrada), e não só quando a sessão tem início. Portanto, devemos nos lembrar que a postura, o falar moderado (quase silêncio) e a pureza de pensamentos, são essenciais ao exercício da fé e ao equilíbrio da corrente. Sugerimos que, ao você entrar na TENSG, agradeça a Deus em poder estar participando do ambiente e proceda algumas saudações: a primeira deve acontecer logo no portão de entrada, pois lá existe o Guardião da Entrada; ao chegar junto a primeira Casa, faça a saudação à Tronqueira, portanto, lembre-se dos Guardiães da Casa (Tranca Ruas das Almas, Marabô, Sete Giras, Maria Padilha e Cigana do Cais); A seguir, faça a sua saudação ao Cruzeiro das Almas, salve as Almas Benditas; Logo depois, salve as Casas dos Orixás: na primeira estão firmados Oxum/Ogum/Xangô e a segunda Casa, Obaluaê. Faça a sua saudação e peça com fé. Ao sair da TENSG sugerimos que agradeça as Graças Recebidas, fazendo as mesmas saudações, mas na ordem inversa da sequencia que foi procedida quando da entrada. A saudação nos fortalece e fortalece o ambiente. Aproveite!

 

Sempre que houver em si pensamentos inapropriados, procure modificá-los, substituindo-os pela imagem de Oxalá (Jesus Cristo) pregando o Sermão da Montanha. Pense nos Orixás, pedindo a Eles forças à sua Vida. Logo depois, procure reconhecer uma imagem para os Guias Espirituais (Caboclos, Preto-Velhos e Crianças) em plena atividade. Aproveite e associe a Eles, as suas necessidades de conquistas e soluções. Desta forma, todos estarão colaborando para a eficácia dos trabalhos. É de suma importância essa postura, haja vista que, infelizmente, alguns consulentes e até mesmo alguns componentes da corrente, de alguma maneira comunicam-se desrespeitosamente ou inadequadamente com os espíritos trabalhadores, incorporados ou não. Debocham de suas características e muitos até duvidam de seus conhecimentos e da sua eficácia. Entretanto, essas mesmas pessoas, quando passam por uma série de sofrimentos físicos e espirituais, mesmo já tendo recorrido inclusive a médicos e psicólogos sem terem tido êxito, passam a recorrer àqueles mesmos Guias e Orixás que, em algum momento foram alvos de sua indiferença. Muitos desses irmãos, quando restabelecidos, erram e pecam mais uma vez, atribuindo sua melhora ao simples acaso.

 

Devem, componentes da TENSG e Consulentes, durante a sua permanência na Casa, estarem sempre atentos, observando a sua “conduta para o silêncio”, assegurando a sua “concentração e o seu pensamento” em situações ou coisas que representem exclusivamente fluídos do bem. Este procedimento tem como conseqüência a irmanação energética com os espíritos, decorrendo daí o derramamento do elixir etéreo da paz e da fraternidade sobre o Terreiro. O que se consegue do mundo astral é, antes de tudo, fruto da bondade, da postura e do merecimento de cada um. Portanto, a conduta reta e positiva deve ser a tônica em uma Casa Umbandista, para que os Guias e Protetores possam instalar na mente e no coração de cada participante, sementes de bondade, amor e proteção.

A homogeneidade de pensamentos é instrumento de poder do ser humano, rumo à concretização de seus desejos e necessidades, sendo fundamental que se apresentem límpidos e sinceros em uma Casa de Umbanda.